NÃO

MOV

RECESSO ESCOLAR . INÍCIO DAS AULAS DIA 31 DE JULHO DE 2017

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

REFERENCIAL CURRICULAR – MÓDULO II – EJA ENSINO MÉDIO (QUÍMICA) - 2015

REFERENCIAL CURRICULAR MÓDULO II EJA ENSINO MÉDIO (QUÍMICA)

CAPACIDADE

CONTEÚDO
PROCEDIMENTOS DIDÁTICOS (SUGESTÕES DE ATIVIDADES)

FORMAS DE AVALIAÇÃO
 -  Relacionar estados físicos dos materiais com seus pontos de fusão e de ebulição.
-  Reconhecer a Química como construção humana, relacionando o conhecimento científico ao longo da história com a transformação da sociedade.
-  Interpretar e compreender a simbologia e a linguagem própria da Química, estabelecendo co-relação entre os símbolos com sentido biológico e de humanização.
-  Avaliar propostas de intervenção no ambiente, considerando a qualidade da vida humana ou medidas de conservação, recuperação ou utilização sustentável da biodiversidade.
    Leitura de conceitos em textos diversos sobre a evolução da ideia de átomo (gregos) até os modelos atômicos mais recentes e suas possíveis representações, reconhecendo o átomo como partícula fundamental para composição da natureza de uma maneira geral.
    Utilização de modelos explicativos das ciências químicas, físicas e biológicas para compreender determinados fenômenos.
    Distinção entre transformações químicas e físicas e suas constatações na natureza.
    Estudo do método científico na investigação de fenômenos químicos.
    Relação entre Química, Tecnologia e Sociedade no desenvolvimento e aplicação de processos químicos na história do desenvolvimento humano, como, por exemplo, a extração de metais de seus minérios e a conservação de alimentos.
    Diferenciação e classificação das misturas homogêneas e
    Roda de conversa para abordar os conhecimentos prévios dos alunos sobre átomo, modelo, matéria e energia;
    Problematização através de apresentação de imagens e/ou vídeo curto de diferentes tipos de materiais e seu respectivo estado físico em que são encontrados na natureza nas condições normais de temperatura e pressão.
    Leitura, discussão e interpretação de textos sobre a história da ciência, enfocando o papel da química na vida humana em diferentes épocas e a capacidade humana de transformar o meio.
    Construção de modelos atômicos a partir da utilização de materiais recicláveis, como tampinhas, bolas de gude, garrafas pet, caixas de fósforo, durepox, etc.
    Realização de pesquisas de campo para aplicação do método científico na investigação de fenômenos químicos.
    Análise de diferentes sistemas para identificação e reconhecimento de substâncias puras e misturas a partir de algumas propriedades químicas e físicas.
     Observação, registro e análise:
ØØ Da participação dos alunos durante as rodas de conversa e demais discussões que visem o aprofundamento ou não do conteúdo abordado para sanar dúvidas.
ØØ Das respostas dos alunos às questões referentes a textos científicos, verificando a relação com os conteúdos.
ØØ Da resolução de problemas e atividades que utilizem os conceitos trabalhados ou as aplicações das ideias e procedimentos científicos exemplificados em sala de aula;
ØØ De relatório de experimentos realizados, seja no laboratório de ciências, seja em sala de aula ou outros;
ØØ Desempenho dos alunos na realização de pesquisas e socialização dos conhecimentos.
ØØ Desempenho e organização em trabalhos de grupos e/ou individuais.
     Provas escritas que permitam diagnosticar se os alunos:
ØØ Conseguem explicar a evolução do




heterogêneas de substâncias, a partir das propriedades físicas da matéria.
    Compreensão dos processos de separação de misturas.
    Identificação dos materiais utilizados nos métodos de separação.
ØØ Diferenciação de sistemas homogêneos e heterogêneos nas substâncias do cotidiano.
    Aula prática de laboratório para fixação dos conceitos de transformação química, sistemas homogêneos e heterogêneos e separação de misturas utilizando materiais caseiros (pedregulhos, areia, açúcar, água, sal, óleo, etc.).
    Análise de diferentes materiais do cotidiano para estudo de algumas propriedades específicas como, estado físico, cor, odor, brilho, textura, tenacidade e densidade (madeira, perfumes, plástico, ferro, aço, alimentos diversos, tecidos, lixas, etc.
    Apresentação de seminários pelos alunos para explicação dos modelos atômicos, processos de separação de misturas, estado físico da matéria, sistemas homogêneos e heterogêneos.
conceito de átomo;
ØØ Diferenciam transformações químicas de físicas, em análises de fenômenos naturais como chuva e fogo;
ØØ Diferenciam e identificam os conceitos de sistemas homogêneos e heterogêneos, sabem exemplificar tendo como referência as substâncias encontradas em seu cotidiano;
ØØ Desempenho na apresentação de seminários e construção de modelos e maquetes.
-  Relacionar informações apresentadas em diferentes formas de linguagem e representação usadas nas ciências físicas, químicas ou biológicas, como texto discursivo, gráficos, tabelas, relações matemáticas ou linguagem simbólica.
-  Utilizar códigos e nomenclatura da química para caracterizar
    Leitura e manuseio da Tabela periódica dos elementos para fixação da representação dos elementos químicos por símbolos químicos de acordo com a IUPAC.
    Configuração e distribuição eletrônica em níveis e subníveis de energia segundo o Diagrama de Pauling.
    Identificação da alteração do estado físico dos materiais de acordo com seu estado físico
    Apresentação da estrutura da Tabela Periódica dos Elementos utilizando cartazes, vídeos, jogos e resolução de atividades para fixação dos conceitos de elemento químico, símbolos, classificação e localização dos elementos na Tabela, íons, isótopos e isoeletrônicos.
    Construção do Diagrama de Pauling em cartaz (em autorrelevo), utilizando materiais concretos como barbante, EVA, velcro, alfinetes, isopor, entre outros, para
    Lista de exercícios em grupos (desafios para promover trocas de ideias) e individuais.
    Observação, registro e análise de como os alunos manuseiam a tabela periódica
    Provas escritas e outras estratégias de avaliação que permitam diagnosticar se os alunos:
ØØ Saber montar fórmulas de compostos inorgânicos com o auxílio de tabelas de cátions e ânion;



materiais, substâncias ou transformações químicas.
- Relacionar propriedades físicas, químicas ou biológicas de produtos, sistemas ou procedimentos tecnológicos às finalidades a que se destinam.
nas condições normais de temperatura e pressão.
    Identificação da posição de um elemento químico na tabela periódica através de seu número atômico.
    Compreensão de que os elementos químicos estão agrupados na tabela periódica de modo que se possa prever como algumas de suas propriedades variam nos grupos e períodos.
    Orientação e análise do tipo de ligação formada a partir da distribuição eletrônica por meio da camada de valência dos átomos.
    Identificação dos reagentes e produtos a partir de uma equação química, assim como seus coeficientes e índices.
    Distinção de fórmulas químicas (Lewis, estrutural e molecular) das substâncias ou compostos químicos.
    Estudo de propriedades, desenvolvimento de fórmulas e nomenclatura de compostos inorgânicos: ácidos, bases, sais e óxidos.
    Diferenciação de ácidos e bases através de indicadores ácido- base e pH.
    Estudo da relação entre a
compreensão da configuração eletrônica, utilizando como exemplos alguns elementos da tabela.
    Resolução de atividades relacionando distribuição eletrônica e tabela periódica
    Montagem de fórmulas (eletrônica, estrutural, molecular) a partir das propriedades dos elementos químicos envolvidos.
    Elaboração e análise de quadro comparativo entre compostos iônicos e moleculares, pelas suas propriedades químicas e físicas (como condutividade elétrica e solubilidade em água), e estudo aplicativo em laboratório.
    Apresentação de seminários para promover discussão interdisciplinar sobre os compostos químicos presentes em nosso cotidiano, na crosta terrestre (geografia), nos organismos (biologia) e nas atividades econômicas, como a importância dos macronutrientes (fertilizantes NPK) na agricultura.
ØØ Conhecer a função dos indicadores ácido-base;
ØØ Explicar a importância da análise de pH para diferenciar ácidos e bases;
ØØ Analisar algumas propriedades de ácidos, bases, sais e óxidos para diferenciá-los;
ØØ Conseguir elaborar explicações para a formação da chuva ácida.
ØØ Conhecem o significado de grandezas como número atômico e número de massa e sabem relacionar com o número de prótons, nêutrons e elétrons;
ØØ Conseguem fazer a distribuição eletrônica utilizando o diagrama de Pauling, identificando a camada de valência e localizando o período e a família dos elementos representativos na tabela periódica;
ØØ Avaliação da participação nas diferentes atividades.




emissão de poluentes gasosos (óxidos) no processo de combustão e a formação de chuva ácida, e suas consequências.
     Preocupação com a prevenção de acidentes na manipulação de ácidos e bases e conhecimento sobre providências a serem tomadas em caso de acidentes.












- Representar as transformações químicas observadas em compostos inorgânicos no nosso cotidiano, dando ênfase às observações e registros.
    Compreensão de processos químicos relevantes em nosso cotidiano tais como tratamento de água por floculação e produção de pigmento fotográfico (foto em preto e branco).
    Identificação de reações químicas representadas corretamente, através das linguagens simbólicas.
Aula prática para observação de reação química através da descrição de um experimento pela mudança de cor, formação de precipitado, liberação de calor ou gás.
    Introdução do conceito de mol e suas aplicações em cálculos quantitativos envolvendo massa e volume.
    Aplicação de estequiometria em reações químicas para cálculos de massas e volumes com base no conhecimento de mol.
    Abordar situações-problema descrevendo as transformações químicas, as quais devem ser representadas através de equações químicas balanceadas, a partir da compreensão do mecanismo da reação.
    Aulas práticas para realização de experimentos que envolvam reações químicas com compostos inorgânicos e, posterior representação através de equação química.
    Levantamento e discussão de atividades do dia-a-dia em que as medidas de quantidade de massa e volume sejam fundamentais.
    Estudo integrado com a área de matemática, com aplicação de conhecimentos de potência e conceitos de proporcionalidade, para resolução de problemas com mol e cálculos estequiométricos.
    Visita a um lixão ou outros
    Participação dos alunos durante as discussões;
    Resolução de exercícios das provas do ENEM, em grupos e individuais, como processo para entender os mecanismos de representação de reações químicas.
    Produção de relatórios sobre as atividades desenvolvidas em aulas práticas.
    Provas escritas e outras estratégias de avaliação que permitam diagnosticar se os alunos:
ØØ Conseguem montar e nomear uma reação química e os produtos da reação;
ØØ Conseguem aplicar o conceito de mol para calcular massas e volumes utilizando o conceito de proporcionalidade;
ØØ Equacionam reações químicas com base no conhecimento de mecanismos de reação de simples




     Análise de fenômenos envolvendo gases em nosso cotidiano no que se refere a transformações gasosas (Equação Geral dos Gases) e relações de massa e volume (equação de Clapeyron).
ambientes em que se destina o lixo, para verificação do desperdício de diversos materiais que poderiam ser destinados a reciclagem, ou a outros estabelecimentos onde pode ser aplicado conceitos de proporcionalidade.
    Discussão sobre os gases formados a partir da decomposição do lixo, formação do chorume que se infiltra e contamina o solo.
    Estudo dos poluentes atmosféricos, sua formação e efeitos na saúde e meio ambiente, com ênfase na formação da chuva ácida.
    Discussões com a área de geografia para estudar os fenômenos atmosféricos relacionados a ventos, ciclos de água e clima.
e dupla troca;
ØØ Estimam massas e volumes envolvidos em reações químicas;
ØØ Aplicam equações de gases relacionando pressão, volume, temperatura e mol.
    Relatório de aula de campo e visitas realizadas para observação.
    Problemas baseados em situações práticas envolvendo relações de volume, temperatura, pressão e massa.
    Síntese das discussões sobre clima relacionado à transformação de gases.
    Elaboração de mapas conceituais que explicam a formação de poluentes atmosféricos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário